Como a Taxa Selic influencia sua vida?

Manual do Investimento | Como a Taxa Selic influencia sua vida?

 

               Vemos muitas vezes em jornais, rádio e até na mídia muitos economistas falando da tão famosa Taxa Selic, considerada a taxa básica de juros da economia brasileira. Diversos tipos de operações, como investimentos em Tesouro Direto ou Poupança e na determinação da Taxa DI, a utilizam como parâmetro para calcular suas taxas.

               Apesar de tão falada, você realmente sabe o que ela é e como está inserida neste momento no seu salário e seus rendimentos? Como ela é alocada em nossa sociedade e suas influências no capital das empresas?

               O objetivo deste artigo é mostrar como é importante saber como essa taxa funciona e entender suas implicações na vida cotidiana e em diversas outras aplicações.

 

.

O que é Taxa Selic?

 

O que são Títulos Públicos?               A Taxa Selic é conhecida como a taxa básica de juros da economia, sendo a segunda menor taxa do Brasil (a menor é a Taxa de Juros de Longo Prazo – TJLP). Ela é a reguladora das principais transações bancárias no Brasil e influencia diretamente nos cálculos de taxas, por exemplo, de cartões de crédito, empréstimos e também investimentos.

               Pode-se dizer que existem dois tipos dessa mesma taxa: A Taxa Selic Overnight (operações de um dia) e a Taxa Selic Meta. A primeira envolve temas mais complexos que fogem do objetivo inicial deste artigo, portanto trataremos em artigo posterior.

               Já a Taxa Selic Meta é determinada a cada 45 dias pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil, o COPOM, que se reúne de modo a traçar diretrizes para a meta do governo para as taxas de juros da economia nacional, como o próprio nome sugere.

            Nas últimas 5 reuniões do COPOM, decidiu-se manter a Taxa Selic Meta para o momento econômico atual em 14,25% a.a. (que é ligeiramente diferente da Taxa Selic Overnight, de 14,15% a.a.). Essa meta vem sendo aumentada desde o quarto trimestre de 2012, quando valia então 7,25% a.a.

 

Impactos da variação da Taxa Selic

 

           No artigo sobre “O que é Inflação (IPCA) e o que ele muda na sua vida?”, comentamos que R$ 1000,00 de hoje não compram os mesmos produtos, e mesmas quantidades, que os R$ 1000,00 de outros anos compravam. Vimos também que uma das principais causas e, consequentemente, um dos principais meios de controle dos ciclos da inflação é a Taxa Selic.

            Para você entender melhor vamos explicar o que realmente acontece. Os bancos captam recursos através de títulos privados – como CDB, LCI, LCA, LC – emitidos para qualquer investidor habilitado, a fim de emprestá-los futuramente a taxas maiores. As taxas desses empréstimos são  baseadas na Taxa Selic. Ao emprestar para as pessoas físicas e jurídicas, os bancos adicionam uma margem de lucro em cima, que é a uma remuneração pelo empréstimo.

            Sendo assim, quando a Taxa Selic está baixa, os bancos pegarão dinheiro e os passarão com taxas menores. Nesse caso, mais pessoas sentirão que poderão pagar pelos empréstimos, ou seja, mais poder de aquisição. Isso faz com que a economia avance e tenha mais dinheiro em circulação. Além disso, as empresas, que em grande parte tomam empréstimos para financiar suas atividades, poderão reduzir os preços finais dos produtos, controlando a inflação.

            Porém, o contrário ocorre se a Taxa Selic está alta: a economia fica estagnada devido às pessoas físicas e jurídicas não adquirirem empréstimos e não realizarem muitas transações bancárias. Quando o fazem, são obrigadas a praticarem preços maiores no mercado, gerando um efeito inflacionário.

             A Taxa Selic não se aplica apenas aos empréstimos. Você usa seu cartão de crédito, certo? Mas há sempre os juros cobrado em cima de produtos/serviços parcelados não é mesmo? Aí está agindo a Taxa Selic, quanto mais alta, maiores esses juros e assim o consumo fica desestimulado e a economia “para”.

 

Com a Taxa Selic em alta, o que eu posso fazer?

 

Caricatura de empresário tendo uma ideia             No artigo “Entendendo a Remuneração dos Depósitos de Poupança” vimos que a Taxa Selic também tem sua participação na determinação dos Rendimentos da Poupança. Uma parte da rentabilidade da Poupança acompanha a variação da Taxa Selic, até o limite de 8,5% a.a.. Ou seja, em tempos de alta da Taxa Selic, significa que a poupança também estará em “alta”. Mas será que nesse cenário, vale a pena investir na Poupança? Veja a resposta em nosso artigo “Por que não deixar seu dinheiro na Poupança”?

               Da mesma forma, existe uma modalidade do Tesouro Direto, o Tesouro Selic, que acompanha diretamente a Taxa Selic, ou seja, é indexado a ela. Portanto, quanto maior a Taxa Selic, maior a rentabilidade do Tesouro Selic.

               Além disso, foi citado anteriormente que algumas taxas usam a Taxa Selic como referência. Uma delas é a Taxa DI, que está atrelada a Taxa Selic. Sendo assim, como vimos nos artigos “O que é CDB e como investir?” e “LCI e LCA: Investimentos isentos de Imposto de Renda”, quanto mais alta estiver a Taxa Selic, maiores serão as rentabilidades contradadas.

               Portanto, vale a pena conferir nossos artigos destacados para que você possa obter ganhos e rentabilidades acima do esperado, mesmo em tempos de crise e altas taxas praticadas no mercado.

 

A Taxa Selic em nosso Cenário Atual

 

               Todos sabemos que o Brasil está passando por uma grave crise econômica, e sabemos que neste cenário comprar e vender se torna mais difícil devido aos altos valores dos produtos e dos serviços. Aqui também se insere a Taxa Selic, pois ela está regulando atualmente nosso mercado, para que as pessoas possam de certa forma, ainda, movimentar a economia.

               A Taxa Selic que o COPOM aprovou para essa época no país é a mesma desde julho de 2015, de 14,25% a.a.. Manter para o primeiro semestre de 2016 a mesma taxa de 2015 é uma forma que o COPOM achou de manter a economia o mais estável possível, para que nesse começo de ano as empresas não sentissem tanto a mudança dos juros e taxas bancárias, assim tentando, de certa forma, incentivar a tomada de empréstimos e os financiamentos, já que o tão esperado aumento poderia causar impactos negativos.

               Neste ano de 2016, segundo economistas, a Taxa Selic pode não oscilar muito, pois o Banco Central quer controlar a inflação e estimular o consumo no país, e a única forma de se fazer isso é segurando ao máximo o aumento da Taxa Selic, para que não tenha um aumento “brusco” e de certa forma assuste ainda mais a população de nosso país, que já sofre tanto com taxas e impostos altíssimos.

 

Considerações Finais

 

           Mais uma vez cumprimos nosso compromisso de levar informação a quem quer seja e fazer com que assuntos econômicos sejam cada vez mais desmistificados. Para nós, é extremamente importante que os cidadãos entendam e construam seus próprios pensamentos críticos sobre economia, investimentos e assuntos abordados aqui. Estamos aqui para garantir-lhes a base para isso.

           Sendo assim, esperamos que você tenha aprendido bastante sobre a Taxa Selic e entendido como ela funciona em nosso cenário atual e também como ela age e interfere na sua vida cotidiana.

             Não deixe de comentar esse post com a sua crítica, sugestão ou elogio.  Sua opinião é muito importante para nós. Compartilhe essa dica com seus amigos e volte sempre aqui para saber cada vez mais sobre esses e muitos outros assuntos.

              Esperamos você, até breve!

.

Deixe seu comentário com dúvidas, críticas, sugestões e elogios.