Como escolher uma Corretora de Valores?

Como escolher uma corretora de valores: Pessoas fechando negócio apertando as mãos

 

               Como você se sente quando o gerente do seu Banco te oferece uma “oportunidade imperdível”, mas você não faz ideia se ele está sendo legal com você ou apenas ganhando comissão em cima de você?

               Um dos erros básicos do investidor iniciante é a escolha do Agente de Custódia. Para quem ainda não entende muito como funciona, os termos podem assustar, mas podemos adiantar que você não precisa pagar nada para investir!

                Neste artigo você vai entender por que você precisa de um Agente de Custódia e como escolher uma corretora de valores sem sair de casa.

 Por que eu preciso de um Agente de Custódia?

 

Diagrama de blocos da Relação Investidor x Corretora

 

               Imagine a quantidade de operações a serem realizadas se qualquer pessoa pudesse aplicar seu dinheiro diretamente em investimentos disponíveis no Mercado Financeiro. Além disso, como lidar com possíveis problemas de cadastro, operações, transferências, depósitos, cálculos de impostos, entre outros?

             O Mercado Financeiro é extremamente regulado pelo Banco Central do Brasil e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Uma das exigências desse setor é que, para ter acesso aos investimentos disponíveis, as pessoas precisam de um agente intermediário, denominado Agente de Custódia, que pode ser um Banco ou uma Corretora de Valores.

               O papel do Agente de Custódia é basicamente de abrir o cadastro do investidor, recolher o Imposto de Renda (IR) e intermediar as operações desejadas entre o investidor e a Instituição que detém o investimento.

 

Como escolher uma Corretora de Valores?

 

              Você deve ter se perguntado porque utilizamos “Corretora de Valores” ao invés de Agente de Custódia. Bom, a resposta para essa pergunta é simples e você vai entender ao final desta seção, mas podemos adiantar que se você está aqui buscando conhecimento e se informando, o seu gerente não está sendo tão legal assim para alguém com o seu perfil.

               Fique atento aos itens que iremos destacar aqui para que você efetivamente escolha uma boa corretora de valores e evite problemas futuros. Lembre-se a intenção aqui é “ensinar a pescar”. Vamos lá!

 

a) Taxas de Administração

              Esse item, muitas vezes por impulso ou desconhecimento, passa por despercebido por muitos investidores iniciantes e pode gerar algumas frustrações futuras. Isso porque o que muitos não sabem é que é possível investir sem pagar nada para sua Corretora de Valores ou seu Banco! Uma grande parte dos Agentes de Custódia não cobram a Taxa de Administração ou esse valor é muito pequeno. Portanto, se você tem alguma pretensão de começar, consulte a tabela de preços, geralmente disponíveis no site da instituição, porque essa taxa pode chegar a 2% ao ano, dependendo da Corretora.

                No site do Tesouro Nacional, por exemplo, você pode conferir a lista das instituições habilitadas e as Taxas de Administração cobradas para o investimento no Tesouro Direto. É, também, uma excelente maneira de conhecer as corretoras disponíveis e iniciar sua pesquisa.

  • Mas espera um pouco: se a Corretora não me cobra nada para intermediar minha operação, o que ela ganha com isso?

               Bom, essa é uma excelente pergunta. Ninguém faz nada de graça, isso é um fato. Mas nesse caso é interessante para as Corretoras que você aprenda a investir em modalidades de renda fixa, como Tesouro Direto, CDB, LCA, LCI, enquanto ela te oferece diversas opções de ferramentas e novos investimentos, que aí sim serão cobrados. Por exemplo, caso você amplie seus investimentos para o mercado de ações, você queira solicitar dicas de especialistas, auxílio no cálculo e declaração do imposto de renda, entre outros.

               Mas se você optar, inicialmente, em investir apenas em renda fixa, você pode fazer isso sem ser cobrado por nenhuma taxa da Corretora.

 

b) Plataforma & Ferramentas

               Outro fator importante que deve ser levado em consideração na escolha da sua Corretora de Valores é a forma como serão realizadas as operações. Por exemplo, é extremamente recomendável que você faça tudo pela internet, então procure saber se isso será possível, que na maioria dos casos é.

                  Outro exemplo, para o Tesouro Direto, é importante que seja um Agente Integrado – que possui uma plataforma própria para o investidor. Isso vai facilitar a realização das operações, porque geralmente o site da Corretora é muito mais simples do que o do Tesouro Nacional.

                   Se você quer investir em ações, avaliar como funciona a ferramenta de Home Broker disponível. Não se esqueça do item anterior, porque como dissemos, são em investimentos como as ações que as Corretoras ganham dinheiro.

Fatores que influenciam a escola de uma corretora de valores

c) Volume de Negócios

                As Corretoras operam títulos de vários investidores e algumas possuem mais clientes do que outras. Imagine que você vai a um supermercado que ninguém conhece, nenhuma referência. Você confiaria em comprar alimentos em um estabelecimento deste? Pois é, se sua resposta foi não, também será para Corretoras.

               Portanto, nossa dica para que quer começar é que procure corretoras conhecidas e renomadas. Mas como assim? O site do Tesouro Nacional disponibiliza o ranking de volume de negócios mensal por Corretora, ou seja, as 10 corretoras que mais operam títulos no mercado. Recomendamos que comece sua pesquisa sempre pelas mais conhecidas.

Observação:

               Os títulos públicos do Tesouro Direto são sempre os mesmos para todas as Corretoras. Mas para outros investimentos, como CDB, LCI, LCA, esses títulos são diferentes. Isso porque existem muitas instituições que emitem esses tipos de aplicações e cada corretora vai oferecer investimentos de determinadas instituições. O aplicativo Renda Fixa é uma excelente forma de avaliar os investimentos disponíveis, pois reúne todos os títulos oferecidos no mercado, por todas as Corretoras em diferentes modalidades. Vale a pena conferir.

 

d) Referências

               Quando você vai contratar alguém para trabalhar em sua casa, por exemplo, você procura saber onde a pessoa já trabalho, como é o passado dela, procura opiniões de outros empregadores, entre outros. Pois é, aqui não é diferente.

               Procure na internet alguns comentários, reclamações sobre a corretora que pretende contratar. Procure saber se algum amigo ou conhecido utiliza e a opinião dele sobre a Corretora. Isso vai diminuir muito suas preocupações futuras.

                Entre em contato com a corretora que pretende contratar e veja se as referências batem com a realidade. No site do Tesouro Nacional tem uma lista de contatos das Instituições Habilitadas, com telefone, e-mail e site oficial!

 

Considerações Finais

 

Lupa sobre um jornal                 Agora que você tem o conhecimento, vamos voltar à pergunta do artigo: será que vale a pena investir pelo seu próprio banco? Será que seu gerente está sendo legal com você?

               Nosso objetivo não é desmerecer o trabalho de ninguém, até porque, para muita gente eles são sim a melhor opção, para quem não tem muita vontade de aprender e investir por si só e obter ganhos maiores. Sabemos que, se você veio até aqui, você pensa mais alto e, portanto, não vai precisar se submeter a opiniões desconhecidas.

              Bom, esperamos que tenha gostado do artigo!

             Não deixe de comentar esse post com a sua crítica, sugestão ou elogio.  Sua opinião é muito importante para nós.

             Compartilhe essa dica com seus amigos e volte sempre aqui para saber cada vez mais sobre esses e muitos outros assuntos.

             Esperamos você, até breve!

 

Deixe seu comentário com dúvidas, críticas, sugestões e elogios.