Entendendo a Remuneração dos Depósitos de Poupança

Calculadora, caneta e óculos sore uma folha de cálculo

 

               Uma das aplicações mais comuns para os brasileiros é a Caderneta de Poupança. Apesar disso, a maioria das pessoas não conhece o que está por trás dessa modalidade de investimento.

               Neste artigo você será introduzido a conceitos mais aprofundados sobre como funciona a Remuneração dos Depósitos de Poupança, de onde vem esses valores e como são calculados, além de conhecer alguns fatores que influenciam a rentabilidade da Poupança.

A Série Histórica da Poupança

 

         Atualmente, considerando dados do Portal Brasil para o primeiro trimestre de 2016, a rentabilidade da poupança foi projetada pela Equipe do Manual do Investimento para aproximadamente 8,11% a.a. em 2016 [1]. Ainda que seja a maior dos últimos anos, conforme tabela a seguir, nós já mostramos a você por que você está perdendo ou deixando de ganhar dinheiro mantendo-o na Caderneta de Poupança. Mas que fatores vão influenciar a Rentabilidade da Poupança e como é feito o cálculo de Remuneração dos Depósitos?

 

Tabela com a Série Histórica da Poupança

 

Remuneração dos Depósitos de Poupança

 

             De acordo com a legislação atual, a remuneração dos depósitos de poupança é composta de duas parcelas: a remuneração básica, dada pela Taxa Referencial – TR e a remuneração adicional. A remuneração Adicional correspondente a: 0,5% ao mês, enquanto a meta da taxa Selic ao ano for superior a 8,5%; ou 70% da meta da taxa Selic ao ano, mensalizada, vigente na data de início do período de rendimento, enquanto a meta da taxa Selic ao ano for igual ou inferior a 8,5%.

 

Tabela com a Remuneração Adicional da Poupança

 

OBS: Para mensalizar uma taxa anual, ou o contrário, deve-se aplicar respectivamente as fórmulas a seguir.

Conversão de Taxas de Juros

onde im é a taxa mensalizada e ia é a taxa anual.

 

         Você pode conferir no site do Banco Central do Brasil [2] os valores da Remuneração dos Depósitos de Poupança. Nós separamos para você alguns valores referentes ao mês de fevereiro de 2016. Repare que a tabela mostra que a coluna de Remuneração Total não é simplesmente a soma da Remuneração Básica e a Remuneração Adicional, mas para a maioria das aplicações esse fator não é significativo e, por isso, será tratado como uma curiosidade na próxima seção.

 

Tabela de Remuneração da Poupança do site do Banco Central do Brasil

 

Só por curiosidade…

 

             Como mencionado anteriormente, pode-se notar que a Remuneração Total (RT) não é simplesmente a soma da Remuneração Básica, ou Taxa Referencial (TR), com a Remuneração Adicional (RA). Sendo assim, para encontrar o valor verdadeiro de RT, temos que fazer um cálculo simples:

Fórmula de Correção da Remuneração da Poupança pela Taxa Referencial - TR

 

Exemplo:

               De acordo com o trecho citado da tabela do Banco Central do Brasil, na primeira linha, temos TR = 0,0957% a. m. e  RA = 0,5% a. m., já que a Selic encontra-se avaliada em 14,15% a.a. (maior do que 8,5% a. a.). Portanto, a Remuneração Total (RT) será de:

Exemplo de Cálculo de correção da Remuneração dos Depósitos de Poupança

 

A Taxa Selic e a Taxa Referencial

 

         A Taxa Selic – Sistema Especial de Liquidação e Custódia – é a principal taxa básica de juros da economia brasileira. Ela serve de referência, para os Bancos definirem a remuneração de algumas aplicações financeiras feitas pelos clientes, como a Poupança, para definir os juros de empréstimos e financiamentos, entre outros.

         Basicamente, os bancos tomam recursos emprestados de outros bancos baseando-se pela Taxa Selic. Ao emprestar para seus clientes a taxa de juros é muito maior devido ao lucro embutido, os custos operacionais, taxas de inadimplência e etc. Por isso quanto maior for a Taxa Selic, maior serão os juros de empréstimos e financiamentos.

         A Taxa Selic é uma ferramenta de política monetária utilizada pelo Banco Central do Brasil para atingir a meta das taxas de juros estabelecida pelo Comitê de Política Monetária – Copom.

         Já a Taxa Referencial é uma taxa de juros básica calculada a partir do rendimento mensal médio dos Certificados de Depósitos Bancários – CDB.  Ela foi criada em 1991, pelo Plano Collor II, visando a desindexação da economia e o combate à inflação.

          Os CDB são títulos emitidos pelos Bancos com o objetivo de pegar dinheiro emprestado com investidores, por um prazo previamente determinado, para poder emprestá-lo a taxas maiores. Portanto, a alta da Taxa Referencial significará, no futuro, empréstimos mais caros, além de maior rendimento em investimentos como a Poupança.

 

Conclusão

 

Dois trabalhadores cumprimentando com um aperto de mãos

               Este foi um artigo mais técnico feito pela nossa Equipe para eliminar a maioria das dúvidas que surgiram depois de publicado o artigo “Por que não deixar seu dinheiro na Poupança?”. Assim, com esses novos conceitos você estará apto a decidir com mais segurança em dar ou não o primeiro passo rumo a novos investimentos.

               Nesse contexto, vale a leitura do nosso artigo sobre o Tesouro Direto, “Por que investir no Tesouro Direto?”, que consideramos o melhor investimento para quem quer começar a se tornar um Investidor Inteligente.

 

               Esperamos que tenha gostado do artigo.

               Deixe seu comentário com dúvidas, críticas, sugestões e elogios.

               Até breve!

 

 

Referências

[1] http://www.portalbrasil.net/poupanca_mensal.htm

[2] http://www4.bcb.gov.br/pec/poupanca/poupanca.asp

 

 

 

Deixe seu comentário com dúvidas, críticas, sugestões e elogios.